terça-feira, 26 de dezembro de 2006

domingo, 24 de dezembro de 2006

MY FRIENDS... you are a few of MY FAVOURITE THINGS!

When I'm feeling sad,
I simply remember my favorite things,
And then I don't feel, so bad.

John Coltrane -' My Favourite Things'


E isto é que é NATAL!

Ella

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

PARABÉNS PARA ELLA !!!

Já que ninguém mais se chega à frente, e porque um dia destes não pode passar despercebido, cabe-me a mim desejar em nome dos leitores e colaboradores do kind of blog um enorme beijinho de parabéns para Ella !!! Uma vez que o Louis não sabe ou não quer tocar os parabéns, só me resta deixar-te com uma musica de Ella para Ella...

Como diz a música és too marvelous for words. Adoro-te miuda!

Esta é só para ti!

quinta-feira, 21 de dezembro de 2006

Orgasmo amanhã e sempre!


Este simpático e sorridente casal de activistas que vêm na foto com um ar inocente, planearam uma gingantesca acção anti-guerra que consiste em nada mais nada menos que um orgasmo global pela paz no dia 22 de Dezembro. Promovendo um orgasmo global sincronizado eles esperam que as pessoas sejam capazes de canalizar a sua energia sexual para algo positivo. Parece que o interesse em participar é grande, têm tido cerca de 26.000 visitas no site e têm links em muitos blogs. I wonder why? E ao que parece para aderir à causa nem é preciso ter parceiro... “It's basically what ever turns you on,” Paul Reffell (o jovem na foto).

“The dream is to have everyone in the world (take part). And if that means laying down your gun for a few minutes, then hey, all the better.”

Global Orgasm... em nome de um Mundo Melhor, claro!

Ella

PS: No século XXI ainda há quem precise de arranjar desculpas. E atenção deste movimento estão desde já excluídas todas as mulheres que "finjam", pois o único requisito da coisa é mesmo o chegar lá... by all means! Mas o dia é sem dúvida um belo dia! :)

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

PLAYLIST - PORQUE SIM !

PORQUE ACORDEI COM ELA NA CABEÇA



PORQUE ANDO A OUVI-LA EM LOOP



PORQUE É UMA GRANDE MÚSICA!



PORQUE É A LOUCURA!



PORQUE NÃO???



PORQUE É INVARIAVELMENTE A ÚLTIMA DA NOITE !



PORQUE ME FAZ SONHAR DE OLHOS ABERTOS...



PORQUE É NATAL ! :D

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Blonde, James Blonde


Não gostei, mesmo nada deste Bond... Do filme e do actor! Depois de uma grande expectativa criada à volta da escolha do sucessor de Pierce Brosnan, decidi esperar para ver no cinema, que é onde todos os filmes devem ser vistos e um Bond ainda mais. A expectativa foi crescendo à medida que ia lendo críticas altamente elogiosas ao filme e à interpretação de Daniel Craig, levando, como normalmente acontece a uma grande desilusão.

Compreendendo-se a tentativa do realizador e dos argumentistas darem à saga do agente ao serviço de Sua Majestade uma maior aproximação aos livros de Ian Fleming dando-lhe uma maior humanidade e vulnerabilidade, a verdade é que não funciona porque já há muito que as aventuras transcenderam o universo das páginas escritas por Fleming no princípio do século passado.

Começa logo mal com uma música sensaborosa pelo Chris Cornell (Soundgarden e Audioslave) que não faz juz aos temas inesquecíveis de Shirley Bassey, Paul McCartney , Garbage e tantos outros, o argumento é previsível, chato e demasiado longo, sem dinâmica e confuso como diria o Queirosene à saída do cinema, uma vez que tornaram uma história intemporal numa outra restringida com o início de Bond enquanto agente 00, numa altura em que ainda não sabe muito bem o que pedir para beber...

A ausência de elementos essencias que fazem de Bond um ícone global, tais como o sempre presente Q com os seus mirabolantes gadjets, os flirts a Moneypenny ou cenas de acção que definiam um estilo são demasiado graves para serem menosprezadas.

E falta de estilo é o que Craig tem demais. Este Bond é um troglodita com uma boquinha de papagaio, sem aquele humor corrosivo e gozão e uma pose mais adequada a uma Bond girl ( Desta vez é o próprio do Bond a sair da água molhado, recriando as célebres cenas com Ursula Andress e Halle Berry ) não fossem os mega músculos que parecem prestes explodir e que muito agradam o público feminino.

Em relação às Bond girls Eva Green faz uma Vesper Lynd (ainda) sem atributos para o lugar e Caterina Murino uma dona de casa desesperada que encontra em Bond um ombro amigo e pouco mais...

A boa notícia é que sempre dá para ir vendo as repetições dos outros Bonds na tv ou em dvd. A má notícia é que Daniel Craig já assinou para mais um filme !
Se ao menos tivessem deixado o Tarantino realizar o filme...

sábado, 16 de dezembro de 2006

Unreal Sidewalk Cartoon


É na Península de Quasi-algures que se passa o mais recente projecto de Bernardo Sassetti. Projecto esse composto por um CD, um livro e um espectáculo multidimensional em som e imagem que se repetirá nos próximos dias 21, 22 e 23 de Dezembro no Teatro São Luiz em Lisboa. Um espectáculo com muitos músicos em palco e ainda mais instrumentos que músicos (e não estão lá todos os que participam no CD). Grandes ambientes criados numa grande diversidade de sons e de estética, intercalados pelo surreal unreal cartoon. Uma história mirabolante e alucinogénica (que me recorda o teatro do absurdo) montada num suporte gráfico rico que mistura a gravura e a imagem real. O que é de facto uma pena é a banda sonora do dito cartoon não ser tocada ao vivo pelos músicos por de trás da tela onde é projectado o cartoon. É uma pena... Para quem quer ver um espectáculo diferente, vá ao São Luiz.
Música original e arranjos: Bernardo Sassetti.
Intérpretes (ao vivo): Drumming, Perico Sambeat, Alexandre Frazão, José Salgueiro, Rui Rosa, Bernardo Sassetti e músicos convidados.
Filme/cartoon musical realizado por: Filipe Alçada e Bernardo Sassetti. Animação de Filipe Alçada baseado na história original e no trabalho de fotografia e patchwork (2003/06) de Bernardo Sassetti.
Ella

Confiance... confiança... confianza...

Du latin, cum (avec, ensemble) et fido (se fier, croire, foi).


Sentiment de sécurité vis-à-vis de quelqu'un ou quelque chose.
Avoir confiance en soi : être sûr de soi-même pour mener quelque chose à bien.
Faire confiance à : se fier à quelqu'un ou quelque chose.
Ella

quarta-feira, 13 de dezembro de 2006

Feeling blue these days...

Ai coisas tão boas!

Quantas vezes vocês se lembram... "Ai como adoro pastéis de bacalhau! E aquele pãozinho com chouriço... arroz doce?... Ai arroz doce...!!!" Pois é, agora imaginem-se a kms de distância de alcançar um, só UM pastel de bacalhau, e no vosso pensamento persiste: o pastel... o pão com chouriço... e o arroz doce... Olha, toca a cozinhar...
Et voilá! Estava tudo MUITO BOM!
Já comiam um pastel ou dois, não era?

PHOTO by Yorkie Girl

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Caminhando para o Inverno

Noite...
Triste, ver desaparecer contigo a vontade.
Deito-me sonhando no amanhã, na nova alvorada.

Frio...
Olhar pela janela e sentir como o corpo regela.
Os pés já não sentem a ombreira sibilando.

Quente...
O fogão, e a água que se entornou...
Os olhos reencontram um brilho....

É dia...
De liberdade, aquecida no frio que não desaparece.
No consolo o espírito conquista uma nova energia.

É dia! Mas na vida um ciclo tem diferentes realidades.

domingo, 10 de dezembro de 2006

Vitamina C

(ou para os geeks... L- ácido ascórbico)


Prescrevo a todos os ranhosos e doentinhos que por aqui vão passando. Nada como uma juicy laranja de Dezembro bem carregadinha de antioxidantes, vitaminas e sais minerais para revitalizar o corpo e a mente. Go on and taste it!

Photo "laranjas pacientes" by Ella.

sábado, 9 de dezembro de 2006

Inverno


O nosso tempo esgota-se, sinto-o. Não há nada que possa fazer para atrasar o relógio e gelar o tempo. Não quero perder-te. Não quando em tantas coisas ainda me és estranho. Guardo a tua mão nas minhas. Frágil. Frágil como nunca o foste. Frágil porque pela primeira vez e única na tua vida, não tens mão no destino. A vida já não é tua, e sempre foi. Sempre. Nada podes fazer. Nada podemos fazer. A não ser dar-te a mão e guardar-te.

Ella

Photo by Ella.

quinta-feira, 7 de dezembro de 2006

Koop - em Lisboa!


Não percam a apresentação ao vivo de "Koop Islands" em Lisboa"!

O duo sueco Koop mais uma vez surpreende-nos com o seu novo álbum repleto de ondas vibrantes... e jazz... muito jazz. Se têm dúvidas, e antes de escreverem na agenda, ouçam "Come to me" disponivel em video no website oficial de "Koop Islands"... E, uma aposta, que se vão render a este ritmo alegre e saltitante - Vai uma dança?

QUANDO: 11 Dezembro 2006
ONDE: Arena Lounge do Casino de Lisboa
Entrada LIVRE!!!

terça-feira, 5 de dezembro de 2006

sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

Vocês conseguem?


Sentem-se numa cadeira e levantem a perna direita.
Rodem o pé direito no sentido dos ponteiros do relógio.
Levantem o braço direito e, ao mesmo tempo, que rodam o pé,
Desenhem no ar o número 6.

QUE CENA?!?!?!?!

Lisboa é cool!


Para quem ADORA Lisboa, ou simplesmente, ama eternamente... deixo-vos o link para uma revista on-line cheia de actualizações semanais, para todos aqueles que não gostam de deixar passar "aquele" evento cultural (ou não!) de que tanto ouviram falar... mas onde?


"Nunca vendemos o conteúdo.
Recomendamos eventos e sítios que
pensamos valerem realmente a pena."


*le cool*Edição*lisboa*

Fotografia por PJ

sexta-feira, 24 de novembro de 2006

O meu pior defeito


Deixem-me que vos conte uma história verdadeira...
Uma destas noites fomos a um bar ouvir, pela terceira semana consecutiva, os "Cauda da Tesoura", dois rapazinhos que tocam e cantam muito bem.
Foi uma bela noite de convívio entre 3 amigos dos tempos do Liceu, daqueles amigos que passaram juntos pela adolescência, que viveram coisas inesquecíveis, e que agora, passados alguns anos, têm perspectivas de vida muito diferentes, no entanto o tipo de relação que nos une continua a ser o mesmo, por mais anos que nos separe a vida! (não sei estão a ver a ideia).
Estes belos amigos quando se juntam, conversam sempre sobre diversos assuntos, mas inevitavelmente o primeiro assunto é sempre fazer um ponto da situação sobre a vida dos nossos amigos dos mesmos tempos de escola: como está, com quem está, o que faz, o que fez e tal e coisa... raramente escapa algum a esta espécie de censura!
Relembra-se sempre uma história ou outra e depois sim, conversa-se um pouco sobre a "actualidade", das nossas vidas, das dos outros, do que sentimos, do que se passou entretanto, etc, etc, etc. São momentos únicos, são "intimidades" únicas, são pessoas que nos conhecem bem e sem máscaras, a sua opinião é mtas vezes imprescindível ao desenrolar das nossas vidas (mesmo que façamos o contrário da opinião deles...)
Bem esta história até agora não tem nada de estraordinário, nada de diferente nem nada digno de nota a não ser relatar uma noite de convivio entre amigos. Mas nesta noite, tal como em todas as outras quando nos juntamos, aproveitamos sempre para por as garras de fora e escamotear até ao tutano os defeitos de cada um. Até aqui, nada de anormal.
O verdadeiro problema foi quando a amiga Ella perguntou à amiga Mystic e ao amigo Sharkman:


- Então e e tu, qual é o teu pior defeito?

A Mystic e o Sharkman, como é hábito, responderam muito frescos e com grande gargalhada:
- Ai isso é mto fácil, claro que sei qual é o meu pior defeito!

Ao que se seguiu, um entre-olhar, um momento de pausa, uma reflexão. Começamos a falar e a discutir o assunto, e chegamos à conclusão que os nossos piores defeitos rapidamente descobertos, eram mto relativos e que todos nós achamos que o nosso pior defeito, pode ser também a nossa maior virtude.
Seguiu-se um novo entre-olhar, um novo momento de pausa, uma nova reflexão, e a constatação que afinal nenhum de nós foi capaz de responder, qual é o seu pior defeito.
Bem, isto deu que pensar, mas fui para casa dormir porque já era tarde e não dei mta importância ao assunto...
Ontem fui jantar com o Sharkman (à Bella Millano e não comi pizza de atum) e ele diz-me assim:

- Ainda não parei de pensar naquela história de qual é o meu maior defeito, dois dias a pensar nisto e ainda não cheguei a uma conclusão!

Meus caros amigos,
A única conclusão a que cheguei foi que: tenho plena consciência que tenho defeitos (o que significa que tenho pelo menos uma parte do cérebro a funcionar), sei também que aqueles que vejo como os meus piores defeitos são algumas das vezes as minhas maiores virtudes e concluo que não consigo fazer uma avaliação de mim mesma como faço dos outros.
Agora deixemo-nos de teorizar, que vai chover o fim de semana todo e tenho muito que fazer.
Um Abraço,
Mystic

"Que sei eu do que serei, eu que não sei o que sou?
Ser o que penso? Mas penso ser tanta coisa!
E há tantos que pensam ser a mesma coisa que não pode haver tantos!
Génio? Neste momento
Cem mil cérebros se concebem em sonho génios como eu,
E a história não marcará, quem sabe?, nem um,
Nem haverá senão estrume de tantas conquistas futuras.
Não, não creio em mim.
Em todos os manicómios há doidos malucos com tantas certezas!
Eu, que não tenho nenhuma certeza, sou mais certo ou menos certo? "

Álvaro de Campos
in Tabacaria
E tu, qual é o teu pior defeito?

terça-feira, 21 de novembro de 2006

Dois recados numa mesma canção

Para ti...
Olhar para ti e ver o que eu vejo

Para a Mariazinha...
esta vida são dois dias,
e um é para acordar,
das historias de encantar,
das historias de encantar.

Secretamente também eu tenho sede de sonhos mas alimento-me de realidade.

Letra de Viagens,
de Pedro Abrunhosa
e other words by Ella.

sábado, 18 de novembro de 2006

Mulher em Branco

de Rodrigo Guedes de Carvalho



Ando à algum tempo para escrever este post sobre o livro mas tem-me faltado a coragem. Tem-me faltado a coragem porque é impossível escrever sem revivê-lo. E ainda me dói. À livros que se colam a nós e teimam em não nos desabitar, livros que adormecem connosco. São assim os livros bons, pelo menos comigo.

Lembro-me muitas vezes deste verso...

Terror de te amar num sítio tão frágil como o mundo
(Sophia de Mello Breyner Andresen)

Muitas vezes. Quando me abraças e te sinto meu. E penso no quão rápida é a sorte, nas pequeninas coisas que mudam e principalmente naquelas impensáveis que se precipitam. O nosso destino em mãos que não são as nossas. Dói-me pensar na crueldade do mundo e se sobreviveremos. Dói-me.

Este livro fala disto mesmo, desses breves instantes decisivos. Da crueldade da realidade em que vivemos e como vamos sobrevivendo a ela.
Adorei o livro. Sofri mas adorei. Gostei muito da forma expressiva como escreve. Pela segunda vez em muitos anos confesso saltei um capítulo. Da primeira vez que o fiz recusei-me a ler o último capitulo de um livro que amo, pois para mim essa história não terminará. Desta vez li-o mas aos soluços, a direito doí-a muito (e quem já leu o livro já imagina qual terá sido). Isto é o melhor dos livros, e a prova irrefutável que os livros não são de quem os escreve mas sim de quem os lê, na minha opinião.
Se por acaso precisam de um empurrãozinho para o lerem deixo uma breve sinopse... Uma mulher ao receber a notícia do desaparecimento do filho perde a memória.

Ella

sexta-feira, 17 de novembro de 2006

A minha caixinha de Bombons



Apesar de ser pequenininho e singelo (quando comparado com o do Louis) o meu tem sempre surpresas deliciosas para se devorarem uma a uma!
Ella

segunda-feira, 13 de novembro de 2006

Ontem foi assim...



Choro sempre que vejo coisas bonitas por não as poder mais partilhar com ele...

(adaptando uma frase de um filme inesquecível, Habla con Ella de Almodôvar)
Ella

domingo, 12 de novembro de 2006

Confissão



"Sabes... queria poder gritar isto tudo num sítio qualquer!"

As tuas palavras ficarão guardadas em mim.

Photo by Ella at Port-Vendres.

sexta-feira, 10 de novembro de 2006

Após 26 anos... a confirmação

Depois de mais de meia hora a tentar resolver um enigma do 8ºano com a Mystic, o Louis revela:

O meu cérebro funciona!

Little Miss Sunshine


Um filme luminoso e simplesmente brilhante. Irradiei de prazer ao longo de todo o filme, com um sorrizinho omnipresente nos lábios e algumas boas gargalhadas pelo meio. Para quem está meio deprimido...aqui está um bom remédio salutar!

LOUIS

quinta-feira, 9 de novembro de 2006

Definição do verbo Amar



Love me or leave me and let me be lonely...


by the words of Madame Nina Simone e a foto é um dos mais belos clichés do Monsieur Robert Doisneau.

Ella

Desafio


Ontem foi-me colocado o desafio de escrever algumas frases que descrevessem alguns dos meus melhores amigos. O primeiro pensamento foi "isto é fácil", afinal nada mais simples que escrever sobre as pessoas que melhor conhecemos. Mas o que à primeira vista parecia fácil tornou-se numa tarefa deveras complicada e redutora.
A verdade é esta meus amigos: É impossível reduzir-vos a algumas palavras pois vocês para mim são um Mundo!

Ella

quarta-feira, 8 de novembro de 2006

Children of Men



Children of Men de Alfonso Cuaron.
Ora aqui está um belo filme. Enfim, “belo” talvez não seja o melhor adjectivo para descvrever a filmaça. Mas é uma grande filmaça. Filme de ficção científica praticamente sem efeitos, sem sabres de luz, sem personagens feitas a computador, sem naves e mauzões vestidos de preto com vozes esquesitas. Aqui é tudo muito normal, o mundo está mal, as nações autodestroem-se, a poluição está ao rubro, os imigrantes são deportados, os políticos são cada vez mais corrompidos, etc. O pequeno toque de ficção científica está num pormenor bem grande: os humanos ficam incapacitados de se reproduzirem, as crianças deixam aos poucos de existir, a população envelhece globalmente rumo a um futuro sem futuro! A personagem principal deste futuro sem esperança é o cada vez mais admirável Clive Owen. O filme consegue criar um delicioso ambiente de opressão e desespero em torno das personagens ao jeito de um bom “survival”. A crueza das imagens de Cuaron , a representação de um mundo muito realista com problemas não menos realistas e a luta da humanidade contra a sua própria humanidade dão a este filme o impacto apropriado para sairmos da sala a pensar nele (são esses filmes que têm direito à menção "filmaça"!). E para aqueles que reduzem ficção científica a guerras no meio das estrelas, este é com certeza um bom filme para abordar o género.
PS: Também gostei de ver os curtos bons momentos de Michael Caine.

LOUIS

sábado, 4 de novembro de 2006

quinta-feira, 2 de novembro de 2006

May the force be with you

Finalmente... Finalmente fez-se justiça

a milhares de fãs desta incomparável e histórica saga inter-galáctica, que encantou gerações.

yoda

É a oportunidade Lusa de poder ver ao vivo e a cores, protótipos, roupas e modelos usados nos filmes deste clássico da ficção científica.

Mais de 150 objectos, modelos originais, 2 naves, story-boards e muito mais para (re) descobrir em cerca de 2000m2 daquela que é a exposição oficial da saga inter-galáctica.

sabre ep3_ia_50357

Quem?

Quem é que não se emociona até às lágrimas
só de ouvir o "The Main Theme of Star Wars"?

hayden_christensen5

O Museu da Electricidade foi o espaço escolhido para mostrar, agora que passam trinta anos, depois de ter dado origem a seis filmes, livros, jogos e um número incalculável de merchandising, uma viagem que percorre os 12 mundos da galáxia Star Wars:

luke

Começa no mundo que viu nascer Anakin Skywalker e termina numa Sala de Projecção, após um percurso de cerca de 2 horas, com a exibição dos filmes da saga e documentários sobre o imaginário “Star Wars”.

Obrigada George Lucas!

Sem qualquer sombra de dúvida, o ex-libris desta exposição é

o AUTÊNTICO, o único, o verdadeiro e o tenebroso, provavelmente o mais temido de toda a história do cinema:

O ORIGINAL de DARTH VADER.


- WELCOME TO DARTH SIDE OF THE FORCE -

Quando é que vamos ver?

May the force be with you, young SKYWALKER...

sábado, 28 de outubro de 2006

Para uma amiga



porque por vezes o que os outros pensam ser maldade, pensam ser glaciar determinação de cometer crueldade pode ser, pode ser, pode ser
(Conta-lhe, dá-lhe um exemplo.)
pode ser não mais que amarmos sem regras, demora às vezes uma vida percebermos que o amor não tem afinal regras, pode acontecer que o inferno nos guie por vezes, e sem darmos muito por isso estamos numa busca de selva, à procura de outra coisa, de outra coisa que nem sabemos bem o que é, que simplesmente se assemelha muito ao que já tivemos e queremos preservar, às vezes cometemos erros atrás de erros atrás de erros porque não aceitamos que o encanto terminou, que ficou só terra queimada, não temos já maneira de a segurar
Mulher em Branco,
Rodrigo Guedes de Carvalho
Photo by Elliot Erwitt

domingo, 22 de outubro de 2006

Les temps sont durs pour les rêveurs.

Eva



Ma petite Amélie, vous n'avez pas des os en verre. Vous pouvez vous cogner à la vraie vie. Si vous laissez passer cette chance, alors avec le temps, c'est votre coeur qui va devenir aussi sec et cassant que mon squelette. Alors, allez-y, nom d'un chien! L'homme de Verre


Le Fabuleux Destin d'Amélie Poulain
J'aime bien ce filme. Um filme feliz, colorido de verde esperança e vermelho paixão. Que nos delicia a cada momento e nos deixa de sorriso nos lábios do princípio ao fim. Filmes assim sabem bem e caiem bem em qualquer altura. Mesmo para aqueles que já o viram algumas vezes, revê-lo é sempre uma surpresa. Há sempre um pormenor que nos escapou, um gesto... Foi isso que fiz esta semana, e enquanto escrevo este post acabo de ver o anúncio que daqui a alguns momentos vai passar na RTP1. Pequenas coincidências. Para os cinéfilos que gostam de bandas de sonoras... esta a cargo do talentoso homem dos 7 instrumentos, Monsieur Yann Tiersen, vale a pena ouvir. Bem francesa, com um toque tradicional mas muito jovial, leve, e feliz. Caso não conheçam a obra deste realizador, Jean-Pierre Jeunet, aconselho vivamente a verem o Delicatessen e La Cité des enfants perdus. Filmes menos alegres mas igualmente surpreendentes e repletos de diversos pormenores inventivos e imaginativos captados à sua maneira. E ao que parece o Senhor vai adaptar para o cinema, A vida de Pi, o best-seller do Yann Martel. Aguardemos espectantes portanto!


Make a Wish!

Ella

Friends


When you're in your thirties it's very hard to make a new friend. Whatever the group is that you've got now that's who you're going with. You're not interviewing, you're not looking at any new people, you're not interested in seeing any applications. They don't know the places. They don't know the food. They don't know the activitie. If I meet a guy in a club, on the gym or someplace, I'm sure you're a very nice person you seem to have a lot of potential, but we're just not hiring right now. Of course when you're a kid, you can be friends with anybody. Remember when you were a little kid, what were qualifications? If someone's in front of my house NOW, that's my friend, they're my friend. That's it. Are you a grown up? No. Great! Come on in. Jump up and down on my bed. And if you have anything in common at all, You like Cherry Soda? I like Cherry Soda! We'll be best friends!

The Boyfriend - Part 1,
Seinfeld

sábado, 21 de outubro de 2006

UH LA LA !!!


Sofia Copolla encerra, com Marie Antoinette, a sua trilogia das adolescentes. Depois de As Virgens Suicidas e Lost in Translation - O Amor é um Lugar Estranho, a cineasta apresenta-nos um teen movie épico focado na figura da rainha francesa e ícone historico.

Sofia acolhe-nos no Palácio de Versalhes para uma visita guiada ao mundo do "símbolo do declínio completo de um estilo de vida". Em Marie Antoinette é-nos apresentada a vida da malograda princesa do império austriaco que virá a casar com Luis Augusto, delfim de frança e futuro regente.

Numa abordagem claramente pop e sem se tratar de uma aula de História, vemos a evolução de Marie Antoinette ao longo dos tempos apresentada por Copolla numa vasta palete de cores coadjuvada por uma fotografia sublime e guarda roupa a condizer que acompanha a narrativa como se de uma personagem se tratasse. É impossível ficar indiferente à banda sonora, que mais uma vez surpreende pela frescura e timing perfeito para a situação, misturando inspiração barroca com notas do século XXI dignas de um pub londrino.

Kirsten Dunst interpreta, na segunda parceria com a realizadora, a mulher que se viu rainha de um império ainda teenager, rodeada por um mundo de chantilly e morangos acompanhados por taças de champagne borbulhante, vestidos e sapatos de alta costura ( ou não ;) ), diamantes e perucas extravagantes. É uma boa interpretação da actriz, experimental o suficiente como o filme necessita embora a actriz principal seja mesmo a realizadora.

Vale a pena!

sexta-feira, 20 de outubro de 2006

Paso Doble


Sabem, quando um menino gosta de uma menina, arranja de novo e com força a máquina de fazer os sonhos de projectar. É como cinema, afinal, de pôr os filmes mais lindos a correr da frente para trás e de trás para a frente, as vezes sem conta que o amor quiser.
À noite, sempre que se sonha a dois, há qualquer coisa de novo que recomeça. Depois, um dia, quando somos grandes, reparamos que sim, que isto foi realmente verdade. ...
Lá longe, o búzio que pousei com a minha mão, toca ainda música. É a melhor de todas que jamais ouvi, porque vem direita do céu.
Por causa disto, sou como tu feliz para sempre.

Recados do Tempo do Menino Jesus,
Pedro Strecht
Photo by Natacha Pisarenko.

quinta-feira, 12 de outubro de 2006

Para depois não dizerem que não avisei!




Matthew Herbert
vai regressa a terras lusas para apresentar o seu mais recente trabalho já na próxima semana, Scale, dia 18 na Casa da Música (Porto) e dia 19 no Lux (Lisboa). Será que é desta que não vou perder?! I really hope so!



E como se não estivessem já marcados poucos concertos de estrelas internacionais do jazz para este Outono, Mr. Herbie Hancock acho que esta seria a altura perfeita para dar cá um saltinho. Depois de um ano em que já cá tivemos o Brad Mehldau, o Chick Corea, teremos o Keith Jarrett, só cá faltava este peso pesado do piano. O concerto está marcado para dia 16 de Novembro no Coliseu de Lisboa e para dia 18 no do Porto. E o resto grupo será: Vinnie Colaiuta (bat), Nathan East (b) e Lionel Loueke (g).

Não há carteira que aguente tanta cultura musical! Será muito chato pedir prendas de Natal antecipadas????

Ella

quarta-feira, 11 de outubro de 2006

IV Fórum da Química


O IV Fórum da Química realizar-se-á nos dias 24 e 25 de Outubro de 2006, no Grande Auditório da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Ver página para mais informações.

sexta-feira, 6 de outubro de 2006

3 Pianos?


Eu diria três pianistas. Fui ver ontem este concerto de all-stars do piano português (isto soa mesmo "xunga") no CCB repleto de gente. Parece-me que a ideia de juntar um duo de duetos famosos é uma boa aposta mediática! Dois duetos porque o Bernardo Sassetti e o Pedro Burmester apenas tocaram juntos anteriormente em trio (isto tá a ficar bonito...). O terceiro pianista, Mário Laginha, é apresentado no programa como o elemento que liga os dois universos musicais apresentados (clássico VS jazz). O combate começou então com uma "mesa redonda" de 3 pianos com os 3 músicos a alternarem peças em trio, duo e solo. No fim de cada solo, o músico correspondente ganhava o direito de dizer umas palavrinhas ao público e depois "rodava" de piano. Uma organização digna de uma prova de atlétismo! Bem, sarcasmos à parte, é inegável o talento musical de este best-of pianístico que apresentou peças dos antigos duos com compositores desde Bach até Zeca Afonso e deles próprios (curiosamente o Burmester não trouxe nenhuma composição dele). E as peças em trio? Foram poucas. Ninguém disse que seria fácil arranjar um repertório para 3 pianos para fazer um concerto de cerca de duas horas. Mas a verdade é que torna-se um bocado frustrante ver um dos pianistas de mãos a abanar (literalmente) a maior parte do tempo. Felizmente os encores do espectáculo brindaram-nos com algumas peças a 3 bem divertidas e que nos fizeram pensar o quão bom teria sido o concerto se assim tivesse sido desde o início! Portanto achei que os 3 Pianos eram antes de mais 3 pianistas que de vez em quando conseguiram mostrar que 3 monstruosos pianos de cauda têm imensas potencialidades (o crescendo do Bolero de Ravel, que grande poder!!).
PS: Hum, não consigo deixar de pensar o que daria substituir o Burmester por um pianista de jazz e deixarem-se de tretas de alternar peças clássicas com jazz. Não tenha nada contra fusões, antes pelo contrário, mas gosto de misturas que façam realmente sentido como um todo!
PS 2: quero agradecer publicamente ao Mario Laginha que teve a brilhante ideia de fazer um livro com as partituras do seu ultimo disco e à pessoa que estava a vender discos no CCB que me deixou levar um desses livros de graça (eles eram oferecidos na compra do disco)!
PS 3: eu já tinha o disco...original, claro!

LOUIS

sexta-feira, 29 de setembro de 2006

Volver II


Almodóvar. Eis alguém que não nos desaponta. Vamos para lá com uma recomendação de "tens mesmo que ir ver!" e sai-se a pensar que "sim senhor, este tipo é mesmo bom". E o que dizer quando assim é? A história é uma tragico-comédia fantástica (que me recuso desde já a revelar), o elenco é perfeito, e os pormenores e a forma como os capta são divinais. Só a banda sonora não superou as espectativas. Lanço um desafio... existe outro realizador capaz de captar a essência feminina? Que me lembre e pensando um pouco, nenhum outro me ocorre. Só ele consegue filmar essa estranha aura feminina sem cair nos eternos clichés. As suas mulheres não são bonitas, são reais e por isso mesmo, lindas. Cada uma delas... é a minha avó, a minha mãe, a minha amiga... ou mesmo eu. Somos todas elas e ao mesmo tempo nenhuma delas.
Ella

Volver I


E se podesses volver por um instante apenas?


Ella

quinta-feira, 28 de setembro de 2006

Falsas mentiras!


Ontem fui ver um filme de terror. Daqueles classificados para maiores de 16 anos. Estranho, eu classificaria o filme para maiores de 3 anos. Assim teríamos reacções do tipo: "-papá, quem são aqueles monstros que estão a dar cabo do nosso planeta? -sou eu filho, eu e a tua mãe, a tua família, os teus amigos e os meus, somos todos monstros e estamos a acabar com o mundo! -aiiiiii, pai, fiz chichi nas calças....." bom, talvez para maiores de 6. Fui ver An Incovenient Truth. Estava melancolicamente à espera de um filme documentário choque típico à la Michael Moore, sem o carisma deste e com um sujeito que "costumava ser o próximo presidente do EUA" (Al Gore) à procura de alguma atenção mediática sobre o assunto morno do Aquecimento Global. Descobri que o tal ex-não-presidente é militante deste assunto desde a sua tenra idade, que faz desde muito uma campanha de informação por todo o mundo, apoiado em factos científicos e catástrofes naturais. Descobri que o Aquecimento Global é afinal um assunto muito quente e a precisar de urgente atenção (consequências muito graves daqui a 10 anos). Descobri que é impossível ficar insensível aos factos não científicos que ocorrem por todo o mundo e mesmo à nossa volta (viram a praia da Foz este ano? E a neve nas Caldas? E os fogos?) Descobri que uma vontade geral e uma motivação política podem resolver isto tudo. Descobri que deve partir de nós, individualmente.
E depois disto, vou desde já começar a minha própria campanha anti Aquecimento Global. Passo 1: Vão ver o filme!!! É muito angustiante e esclarecedor. Vão mesmo ver. Mesmo!
link: www.climatecrisis.net Mesmo!!!!!

LOUIS defensor da Terra!