segunda-feira, 31 de março de 2014

O primeiro ano



The new father: A dad's guide to the first year,
Armin Brott
(photo by ella)


Comprei este livro para o marido chérie muito antes do kirikou nascer e fiquei fã. Um livro simples e directo, fácil de consultar. O desenvolvimento físico, emocional, intelectual, social e verbal do bébé descrito mês a mês como eu gosto - por listas-, e juntamente com o que vai passando na cabeça dos pais e da restante família. Tem ainda uma série de ideias de actividades para os bébes. Aconselho vivamente.

Quando li este texto sobre o amor dos pais, pensei: É mesmo isto!




Livros para a gravidez... aqui!

sexta-feira, 28 de março de 2014

Gadget'zinhos

Eu adoro livros de cozinha. Gosto. E gosto de lojas de tarecos de cozinha. No mês passado enquanto corria para uma reunião de trabalho tropecei na loja César Castro e, depois da reunião não resisti a entrar lá. Numa altura em que muitas lojas tradicionais e especializadas fecham é bom ver que há excepções. Para quem gosta, é um pequeno paraíso. Tem tudo. Para os cozinheiros profissionais, para os cozinheiros amadores e para aqueles que não gostam de cozinhar. Muitos, muitos gadgets. E os empregados uma simpatia. Ontem depois de mais uma reunião não resisti a comprar este gadgetzinho...




Charan... Depois de muitas tentativas de manter as ervas aromáticas frescas vamos ver se é desta.


domingo, 23 de março de 2014

No extras for you!



Um amigo costuma dizer que as crianças deviam vir com algumas opções extra que facilitariam muito a vida dos pais, tais como: um botão de volume, uma asinha nas costas ou um telecomandado que facilitasse o transporte e claro, um botão on/off. Parece-me razoável.


sexta-feira, 21 de março de 2014

Do que nos faz crescer

Paul McCartney and Mary by Linda McCartney.


Admitir que aqueles que amamos incondicionalmente também erram é difícil. Principalmente aqueles que são um exemplo para nós. Admitirmos as suas falhas e os seus defeitos dói como se fossem as nossas. São os nossos heróis e esquecemos que são Homens como nós. Por muito tempo idolatrei o meu Pai, mascarei as suas falhas. Era miúda e ele era o meu herói. Um dia zanguei-me. Já não conseguia arranjar mais desculpas. Fiquei zangada muito tempo. Revoltada. Cansada, aceitei os seus  defeitos, as suas falhas e todas as suas virtudes. Fizemos as pazes. Fiquei em paz. Nesse dia cresci. Deixei de ser menina. Vejo-o hoje com mais clareza. Por inteiro. É o meu Pai. E estará para sempre comigo. E isso é que é um herói. O meu herói.




terça-feira, 11 de março de 2014

Afinal não é só a idade que tudo traz...


Dumbo, 1941

Desde o momento em que sabemos que vamos ser pais deveria de ser criado um fundo para dores nas costas com acesso ilimitado a massagens para o resto da vida!