terça-feira, 28 de outubro de 2014

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Do amor

"Bjork and sun, Iceland", photo by Juergen Teller (1993).

Quando esperamos o nascimento de um filho é comum perguntarem-nos se estamos preparados. Preparados para a responsabilidade de educar uma criança. Preparados para as noites sem dormir, as cólicas, as birras. A falta de tempo. O fim daquela vida de apetece-me/quero/posso. Nunca ninguém me perguntou se estava preparada para deixar de ser a pessoa mais importante na minha vida. Nunca. Ninguém. Hoje percebo que esse sim, foi o maior passo que dei naturalmente e involuntariamente no dia em que fui mãe. Talvez seja essa a derradeira prova do amor oblativo. 


quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Toddler

def. to walk unsteadily.

photo by louis!


E eis que cansado de percorrer a casa a quatro patas... Aos 13 meses, o kirikou perdeu o medo e confiante deu os primeiros passos. No espaço de uma semana passou de pequenos trajectos para corridas incessantes. Rejeitando por vezes a ajuda, como quem diz: mamã eu sou capaz! E lá vai ele à vida dele. Com muitos tombos e algumas cabeçadas, mas sem perder a confiança. Sempre com este ar de pequeno zombie. Braços esticados, prontos para amparar a queda. E os pais babados por verem as pequenas conquistas como quem vê o primeiro homem a pisar a lua. Um pequeno passo para a humanidade, um grande passo para nós!


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Livros que a mamã leu


O título deste post também poderia ser... O que consegui ler nos últimos três meses. E acreditem... Isto é muito positivo. Depois de muito tempo sem ler romances, estas minhas duas últimas leituras voltaram a reacender a chama da minha paixão pela leitura. O que não era difícil. Li também A Grande Arte (Ruben Fonseca) e a Madrugada Suja (Miguel Sousa Tavares) que nem vou perder tempo a escrever sobre eles porque souberam a pouco e confesso tive que resistir à tentação de desistir. Bem sei, bem sei que dizem que são bons livros. Mas a realidade é esta...Sou hoje uma leitora pouco paciente, não tenho disposição nem tempo para perder a ler coisas que não me apaixonam. Mesmo aqueles livros referenciados como maravilhas, se não aquecem nem arrefecem, ou se andamos muito tempo à espera daquele momento em que "agora é que isto vai ser interessante"... Esquece! Acho que neste momento é um pouco a minha atitude na vida.  Aqui ficam duas excelentes sugestões, enjoy!

Teoria Geral do Esquecimento,
de José Eduardo Agualusa

É um romance apaixonante da primeira à última página e foi direitinho para o topo da lista dos melhores romances de sempre. Adorei! Não sei se pela originalidade se por me ter feito reencontrar uma vez mais enquanto leitora. Não querendo deixar spoilers no ar, aqui fica a premissa... Sob o calor de Angola uma mulher esquecida durante 30 anos num apartamento vê pela janela de sua casa cozinhar-se a independência de um País. 


Enquanto Lisboa Arde, O Rio de Janeiro Pega Fogo,
de Hugo Gonçalves

Este livro foi-me oferecido pela minha irmãzinha após a sua temporada no Rio de Janeiro. Ela gostou tanto do livro que com o seu à vontade e descontracção acabou por contactar o escritor para o entrevistar. Um livro actual e tão leve como a brisa de uma tarde de verão. Uma história carnavalesca sobre alguém que foge de um país que se arruina de dia para dia para começar do zero uma vida nova, uma página em branco num país em ebulição. Se por vezes a história fica aquém das espectativas, a narrativa supera-as.

sábado, 4 de outubro de 2014

Ode aos transportes públicos e seus frequentadores habituais

by me!

Coisas que as pessoas fazem em público e que só deveriam fazer em privado...

Arranjar as unhas no comboio e ver pedacinhos de unha saltar para o banco da frente.
Besuntar o corpo dos filhos com protector solar no metro a caminho da escola.
Descascar uma maçã com um canivete suíço em plena hora de ponta do metro.
Fazer a limpeza profunda da fossas navais e posterior deglutição... O clássico!

As pessoas nunca nos param de surpreender!
Estes são apenas alguns exemplos da memorabilia que tenho recolhido.
Intimidade, alguém ainda sabe o que é isso?

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

La Crêperie da Ribeira



Depois das férias, os primeiros fins-de-semana por Lisboa têm sido de novas rotinas, uma nova casa com ainda muito por arrumar e o desfrutar de novos espaços da nossa cidade. Num sábado cheio de sol e depois de uma ida à piscina com o Kirikou fomos em boa companhia experimentar a La Crêperie da Ribeira. Um óptimo sítio para matar as muitas saudades dos crêpes bretões. Para começar optamos por testar o clássico de queijo, fiambre e ovo, e para terminar caramel au beurre salé... Tudo delicioso! Existem muitas outras opções por onde escolher e todas muito em conta. Segundo a BB* os croissant são igualmente deliciosos mas infelizmente não ouve estômago para mais. Fica para uma próxima vez, pois iremos certamente lá voltar!















La Crêperie da Ribeira,
Rua da Moeda nº1